Meus trabalhos, textos legais e dicas culturais.

Posts com tag “felippe

E agora, o que vou fazer?

Não sou bom com palavras, muito menos perto de você

Então tento organiza-las aqui

Para tentar me achar e fazer você entender

Que amar não é ter controle da situação

Nem buscar a perfeição de alguém, ninguém é perfeito

O que torna perfeito é a junção dos seres

É encontrar no outro o que falta em você

É não ter a obrigação de fazer algo pra agradar

E sim ser você e agradar

Fazer do “algo para agradar” um plus

É ao se magoar tentar fugir e não conseguir

É querer esquecer e ao olhar para outra pessoa ver seu rosto

Saber que é sua imperfeição que vai completar o outro e vice-versa

A simpatia ao extremo com o egoísmo consentido

O amor exagerado com a frieza desnecessária

A agitação de todos os dias com a preguiça do dia inteiro

Pensamentos demasiados com as atitudes marcantes

E ao perceber que os objetivos são os mesmos

Encontrar o equilíbrio

É ter a necessidade de contar as coisas mais bobas e também as sérias

Se sentir uma criança e brincar

Ter os sonhos mais loucos

Querer beijar-te e tirar sua roupa

Fazer as coisas mais sérias e as mais divertidas

Perder o controle sem medo de errar

E agora, o que vou fazer? O que adianta o mundo se eu quero você?

Será que amar é realmente o mais importante? Será que isso é amor?

Não sei o que mais pode ser

Estou aprendendo

E o que eu já fiz não é nem metade do que eu quero e posso fazer por você.

Alex Felippe, 22/03/2012 às 02h58.


Estranho Jeito de Amar

Não importa se foi destino ou coincidência, estou sofrendo as consequências

Fugi tanto, sem nem saber do quê

Mas tinha que acontecer, depois de anos, um reencontro

E o motivo de querer me proteger

Minutos para o escudo se quebrar

Segundos para me apaixonar

Queria o todo, mas uma parte já me basta

Já não me importa com quem ficas, beijas ou vai se deitar

Muito menos por quem vai se apaixonar

Estou feliz, se feliz você estiver

Sou o amigo mais fiel, sem você notar

Só quero que respeite meu estranho jeito de amar.

Alex Felippe, 12/01/12 às 04h26